A ascensão do girl power e o prazer feminino


(Fonte: The Table)

(Fonte: The Table)

Não é novidade para ninguém que a arte imita a vida e vice-versa. A revolução feminina e atual ascensão do girl power, principalmente, no mundo da arte vem causando bastante polêmica. A HQ Azul é a Cor Mais Quente, os livros Carrie – A Estranha e 50 Tons de Cinza, e os filmes baseados nas 3 obras anteriores, além de Ninfomaníaca, do controverso diretor Lars Von Trier, são alguns dos exemplos desta nova temática.

(Fonte: Divulgação)

Da esquerda para direita Adèle (Adèle Exarchopoulos) e Emma (Léa Seydoux) no filme Azul é a Cor Mais Quente (Fonte: Divulgação)

O tema causa polêmica não tanto pelo fato de terem protagonistas femininas, mas sim pelo teor sexual das obras. A HQ mostra a jovem Adèle descobrindo o sexo com uma mulher mais velha, a pintora Emma. O filme homônimo que adapta a obra levou o Palma de Ouro em Cannes e causou furor pelas cenas explícitas de sexo entre as personagens.

Chloë Grace Moretz no remake e Sissy Spacek no filme de Brian de Palma de 1976

Chloë Grace Moretz no remake e Sissy Spacek no filme de Brian de Palma de 1976

Já Carrie – A Estranha, obra literária de Stephen King, que já recebeu uma excelente adaptação aos cinemas dirigido por ninguém menos que Brian de Palma – totalmente diferente da hiperssexualização machista do remake lançado recentemente no Brasil –, trata sobre as mudanças sofridas por uma garota na entrada da puberdade. “A telecinese que a adolescente desenvolve simboliza o seu desabrochar de mulher”, destaca com perspicácia o crítico de cinema Marcelo Hessel do site Omelete.

Jamie Dornan e Dakota Johnson viverão Christian Grey e

Jamie Dornan e Dakota Johnson viverão Christian Grey e Anastacia Steele (Fonte: Entertaiment)

Talvez as obras mais polêmicas sejam o livro 50 Tons de Cinza – somado a sua adaptação homônima às telas – que conta a história da jovem Anastacia Steele e como ela é seduzida, e aceita ser possuída, pelo milionário sadomasoquista Christian Grey e o filme Ninfomaníaca que trata sobre a jornada erótica de uma mulher, desde seu nascimento aos seus 50 anos.

A modelo Stacy Martin interpreta a ninfomaníaca do título na juventude. Já a atriz Charlotte Gainsbourg a interpreta em sua fase madura

A modelo Stacy Martin interpreta a ninfomaníaca do título na juventude. Já a atriz Charlotte Gainsbourg a interpreta em sua fase madura

O que todas estas obras possuem em comum? O descobrimento da sexualidade de suas personagens. É exatamente este teor sexual que causa controversa. O preconceito contra o prazer sexual da mulher faz parte de um MITO: o pensamento arcaico e totalmente machista de que só o homem pode sentir prazer e falar abertamente sobre sua sexualidade, enquanto a mulher aceita ser apenas um objeto sem qualquer desejo ou fetiche sexual.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s